sexta-feira, 26 de março de 2010

Bolo de cenoura com calda de chocolate

A cenoura é uma hortaliça muito versátil, podendo ser utilizada em pratos variados. Por ser rica fonte de vitamina A, está entre os principais alimentos que devem ser consumidos regularmente.

Este bolo, apesar de muito simples, agrada a todos que o comem. Eu gosto de colocar bastante cenoura para que a cor fique bem acentuada. A cobertura tem aparência e sabor daquela feita com leite condensado, mas sem tê-lo.



Ingredientes:

Massa
4 cenouras grandes
3 ovos
½ xícara (chá) de óleo
2 colheres (sopa) bem cheias de margarina
2 xícaras (chá) de açúcar
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 colher (sopa) bem cheia de fermento em pó

Calda
5 colheres (sopa) bem cheias de açúcar
5 colheres (sopa) bem cheias de chocolate ou achocolatado de boa qualidade
2 colheres (sopa) bem cheias de margarina (80% de lipídeos)
150 ml de leite
50 gr de chocolate granulado ou coco ralado

Modo de fazer:

Massa
Retire a casca das cenouras e corte em rodelas grossas. Coloque as cenouras cortadas, os ovos, o óleo e a margarina no copo do liquidificador e bata até que fique homogêneo. Acrescente o açúcar e bata novamente. Transfira a mistura para uma tigela, acrescente a farinha de trigo e bata (à mão ou na batedeira) por uns 3 minutos. Acrescente o fermento em pó e dê mais uma misturada. Leve assar em forma untada e enfarinhada, em forno a 200º, até que fique corado por cima. Retire do forno e cubra com a calda.

Calda
Em uma panela, coloque o açúcar, o chocolate e a margarina e leve ao fogo. Mexa de vez em quando até que fique tudo derretido. Acrescente metade do leite e mexa até que comece a virar uma calda; acrescente o restante do leite e deixe apurar até que fique no ponto de caramelo. Despeje sobre o bolo ainda quente e espalhe chocolate granulado ou coco ralado por cima.

OBS.: eu não gosto de colocar 1 xícara de óleo, como em muitas receitas de bolo de cenoura, pois o gosto fica muito forte; assim, coloco somente 1/2 xícara e acrescento 2 colheres de margarina. Ninguém nem percebe que tem óleo na massa.

terça-feira, 23 de março de 2010

Feijão tropeiro

O feijão tropeiro é uma comida mineira que reuni em um só prato toda a necessidade nutricional para uma refeição: carboidrato (farinha de mandioca), proteína (feijão, carnes e ovos), hortaliças (cebola,  pimentão, couve, cheiro verde e alho), podendo ser complementado com laranja de sobremesa.
Então vamos à receita desse saboroso prato.



Ingredientes:
200 gr de feijão carioquinha
6 colheres (sopa) de óleo
50 gr de bacon picadinho
100 gr de liguiça de porco fina cortada em pedaços pequenos
100 gr de carne de porco (pernil ou lombo) cortada em pedaços pequenos, temperada e cozida
50 gr de torresmo
3 ovos
3 dentes de alho amassados
1 cebola picadinha
1/2 pimentão verde picadinho
1/2 pimentão vermelho picadinho
cheiro verde à gosto picadinho
sal à gosto
2 xícaras (chá) de farinha de mandioca crua

Modo de fazer:
Cozinhe o feijão em água pura até que fique macio, mas inteiro. Escorra e reserve.

Numa panela, coloque 2 colheres de óleo e junte o bacon para fritar. Retire e reserve. Coloque a linguiça e frite no óleo que sobrou. Retire e reserve. Frite a carne de porco já cozida, retire e reserve.

Bata os ovos ligeiramente, coloque uma pitada de sal. Coloque 2 colheres de óleo numa frigideira e frite a omelete dos dois lados. Retire, pique em pedaços pequenos e reserve.

Na panela que fritou as carnes, coloque 2 colheres de óleo, frite o alho, acrescente a cebola e deixe murchar; junte os pimentões e misture. Deixe refogar e depois vá acrescentando as carnes na ordem da fritura: bacon, liguiça fina e a carne. Misture bem para agregar os sabores. Acrescente o feijão, o ovo e o torresmo e misture a cada acréscimo. Acrescente a farinha aos poucos até o ponto de uma farofa molhadinha. Acerte o sal.

Coloque o feijão tropeiro em uma vasilha para servir, salpique cheiro verde, e sirva com couve refogada ou em salada, e arroz branco.

OBS.: a fritura não pode ser em muito óleo, por isto, coloco só 2 colheres e deixo o fogo baixo.
Nesta receita, não coloquei torresmo; fica opcional a quem quiser. Se quiser assar a linguiça e a carne de porco no forno fica melhor ainda. O bacon pode ser frito no microondas sob papel manteiga. Ele fica crocante e sequinho.

sábado, 20 de março de 2010

Frango com quiabo

Frango com quiabo é um dos pratos que me trazem o sabor da infância à boca. Filha de pais mineiros, desde pequena fui exposta à maneira mineira de cozinhar e apreciar os alimentos. E este prato, dentre os vários da cozinha mineira, é um dos que mais faço em casa por agradar tanto a mim, quanto ao  meu marido. Esta receita é fruto de adaptações da receita que via a minha mãe fazer. Mas, uma coisa que me incomodava muito nela era o amrelado do quiabo ao colocar limão ou vinagre para cortar sua baba. Depois que vim morar no Paraná, conheci a Líbia, uma mineira - cozinheira de mão cheia - que me ensinou outra forma de cortar a baba do quiabo: tomates maduros bem picadinhos. O fato é que o ácido do tomate corta a baba do quiabo e não o deixa amarelado. Um dia não tinha o tomate em casa e, então, resolvi colocar um pouquinho de extrato de tomate; não é que deu certo?!; mas ainda prefiro o tomate picadinho.

Ingredientes:
1 1/2 kg de frango em pedaços (coxas, peito ou outras partes de sua preferência)
8 colheres (sopa) de óleo
5 dentes de alho amassados
sal à gosto
1 sachê de caldo de galinha em pó
2 colheres (sopa) de shoyu
2 folhas de louro
pimenta calabrasa à gosto
800 gr de quiabo
1 1/2 cebola picada em cubinhos pequenos
1 tomate grande cortado em cubinhos
cheiro verde à gosto

Modo de fazer:
Tempere o frango com 3 dentes de alho, sal, metade do sachê de caldo de galinha, o shoyu, as folhas de louro e a pimenta. Deixe descançar por 30 minutos a 1 hora. Numa panela grossa, coloque 4 colheres de óleo e frite 1/2 cebola picadinha até que ela fique com a cor de caramelo (quase queimada); acrescente o frango temperado e mexa bem. Tampe a penela e quando a água que soltar do frango tiver secado, vá pingando água quente até que o frango esteja macio. Depois de cozido ele deve ficar bem coradinho por causa da cebola dourada e com um pouco de caldo no fundo da panela.

Enquanto o frango cozinha, lave o quiabo e seque em papel absorvente. Corte em pedaços de uns 2 dedos, desprezando o cabinho e a pontinha. Aqueça uma panela e coloque as 4 colheres restantes de óleo, junte o alho amassado restante, frite-o, coloque o quiabo para refogar e mexa bem. Acrescente o tomate picado,  e mexa de vez em quanto para que o ácido corte a baba do quiabo.  Depois deste processo, acrescente a cebola, mexa e tampe a panela por uns 3 minutos.

Junte o quiabo refogado ao frango, coloque o restante do sachê de caldo de galinha, acerte o sal e mexa. Se for necessário, acrescente mais um pouco de água, tempe a panela e cozinhe o quiabo até que fique macio, mas inteiro. Desligue o fogo, acrescente  o cheiro verde e sirva com arroz branco, polenta (ou angu) e o que mais achar conveniente. É muito bom.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Omelete especial

Sábado estava assistindo televisão quando ouvi a chamada do progama Estrelas; um dos assuntos seria a receita de uma omelete feita pela Xuxa. Confesso que fiquei curiosa e assisti ao programa. Para minha grata surpresa, a receita era interessante, mas acabei não a  anotando. No dia seguinte a noite, percebi que não tinha nada pronto para o jantar, então resolvi arriscar e fazer a omelete. Separei os ingredientes repassando mentalmente a receita e o resultado foi o prato abaixo. Ficou muito bom.



Ingredientes:
3 ovos
2 fatias de peito de peru
4 fatias de mussarela
1 tomate pequeno sem sementes
orégano à gosto
1/2 colher (sopa) de manteiga
1/2 xícara de batata palha
ketchup à gosto

Modo de fazer:
Pique em pedaços bem pequenos as fatias de peito de peru, 2 fatias de mussarela, o tomate, acrescente o orégano e misture bem. Reserve.
Bata os ovos e reserve. Leve uma frigideira ao fogo, derreta a manteiga e espalhe por toda a sua superfície. Coloque os ovos e em cima deles ainda crús, arrume as 2 fatias restantes de mussarela para que o recheio fique separado dos ovos. Espalhe o recheio por cima da mussarela e espere até que a parte de baixo dos ovos já esteja frita. Para virar a omelete, coloque um prato virado para baixo sobre a frigideira e vire-a nele (igual quando se vira bolo e pudim); depois volte com ela para a frigideira de maneira que a parte do recheio fique para baixo. Espere alguns minutos até fritar e depois repita o processo de virar a omelete, mas agora no prato em que vai servi-la. Arrume a batata palha no centro da omelete, espalhe um pouco de ketchup por cima e enrole como se fosse uma panqueca. Decore com batata palha e ketcup, e bom apetite.

Obs.: Como a Xuxa não deu a quantidade exata de peito de peru, de mussarela, de manteiga e nem de batata palha, as quantidades descritas na receita determinei ao meu gosto. Além disto, como não tinha tudo que precisava, fiz algumas adaptações: substitui o peito de peru por presunto e a manteiga por margarina com 80% de lipídeos, além de acrescentar uma pitada de sal nos ovos batidos.



terça-feira, 16 de março de 2010

Calda de morango


Um dia desses, estava precisando fazer uma calda de ameixa para acompanhar uma sobremesa e não tinha a ameixa em casa. Lembrei-me de que tinha um pote de morangos orgânicos no freezer e então resolvi tentar fazer a calda, mas de morangos. Queria uma calda um pouco azedinha para contrastar com o doce da sobremesa; então coloquei o suco de limão e ficou do jeito que eu tinha imaginado. O melhor de tudo é que dá pra congelar, caso sobre, podendo ser utilizada em outra ocasião.

Ingredientes:
1 xícara (chá) de açúcar
2 xícaras (chá) de morangos orgânicos inteiros
1/2 xícara (chá) de água
1 limão espremido

Modo de fazer:
Lave muito bem os morangos e retire seus cabinhos. Coloque em uma panela o açúcar e os morangos e leve ao fogo, mexendo de vez em quando para não grudar. Quando o açúcar tiver derretido e começar a virar "puxa", acrecente a água e deixe fever em fogo baixo até que fique em ponto de calda (mas não muito grossa). Acrescente o suco de limão e deixe apurar novamente. Esta calda fica com pedaços de morango, pois eles não foram picados. Ela pode ser usada em pudins, bolos, sorvetes, etc. Use a sua imaginação.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Bolo de banana

A banana é um alimento muito consumido no mundo e, por isto, está entre os mais produzidos. É um alimento rico de nutrientes, entre eles, os sais minerais que tem papel importante na nossa nutrição. Gosto muito de banana, de qualquer jeito: in natura, doce, assada, frita, em bolos, em sobremesas, e procuro comer pelo menos uma por dia, que é o suficiente para a nossa necessidade nutricional. Este bolo é muito simples, mas também muito saboroso, sendo excelente para ser servido no café da manhã ou da tarde, como também em lanches.

Ingredientes:
3 ovos inteiros (clara e gema)
1 1/2 xícara (chá) açúcar
2 colheres (sopa) de manteiga ou margarina (80% de lipídeos)
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de leite em temperatura ambiente
1 colher (sopa) de fermento em pó
8 bananas nanicas cortadas em fatias no sentido do comprimento 
3 colheres (sopa) de açúcar
1/2 colher (sopa) de canela em pó

Modo de fazer:
Coloque os ovos na batedeira e bate-os até ficarem amarelo claro. Acrescente o açúcar e continue batendo até formar um creme homogêneo. Coloque a margarina e continue batendo e, em seguida, vá acrescentando aos poucos a farinha de trigo intercalada com o leite. Bata por uns 3 minutos. Desligue a batedeira, acrescente  fermento e dê apenas mais uma batidinha. Coloque a massa numa assadeira quadrada ou redonda (sem furo no meio), untada e enfarinhada. Arrume as fatias de banana por cima da massa, delicadamente; misture o açúcar com a canela e espalhe por cima das bananas. Leve a assar em forno 200º até que fique dourado por cima.

Obs. É importante peneirar a farinha antes de colocá-la na batedeira; acredite, isto faz diferença no resultado final. Outra informação: a banana da qual estou falando tem nomes diferentes nas diferentes regiões do Brasil. Aqui onde moro no Paraná é chamada de "banana nanica", no sul do Paraná dizem que é "banana caturra" e no Rio de Janeiro, minha terra natal, é chamada de "banana d'agua".  Pra resolver o assunto, excluindo a "banana prata", a "banana maçã" e a "banana ouro", essa banana é aquela que costumamos comer com frequência.

domingo, 14 de março de 2010

Dobradinha com feijão branco

Hoje foi um dia propício para comer dobradinha aqui onde moro, pois choveu e o clima ficou bem fresco. A dobradinha é uma prato muito consumido tanto aqui quanto em Portugal. Por ser feito com o bucho do animal, mas comumente o do boi, algumas pessoas não o apreciam devido ao seu cheiro forte. No entanto, uma dobradinha bem preparada oferece aos seus apreciadores um momento muito agradável e prazeroso, pois ao se misturar a outros ingredientes, torna-se um prato muito saboroso. Então vamos à receita.


Ingredientes:
1/2 kg de dobradinha
150 gr de linguiça defumada
150 gr de bacon
150 gr de costelinha de porco defumada
200 gr de feijão branco
2 colheres (café) de bicarbonato de sódio
1/4 xícara (chá) de óleo vegetal
1 colher (sobremesa) de colorau
1 cebola média picada em cubinhos
1 sachê de caldo de bacon em pó
3 dentes de alho amassados, espremidos ou picadinhos
1 colher (café) de sal
3 folhas de louro
cheiro verde à gosto (cebolinha e salsinha)


Modo de fazer:
Corte a dobradinha em pedaços pequenos (quadradinhos ou tirinhas), tire todo o sebo que possa estar nela e afervente em água com 1/2 do bicarbonato por uns 5 minutos. Repita a operação e escorra a dobradinha. Numa panela de pressão, coloque a metade do óleo, o colorau e o alho para fritar e acrescente a dobradinha já aferventada para refogar. Acrescente o sal e água quente até cobri-las, tampe a panela e deixe cozinhar por 30 minutos.
Enquanto isto, lave o feijão e leve a cozinhar em outra panela de pressão com uma pitada de sal e as folhas de louro, por 30 minutos também.
Numa outra panela, coloque o óleo restante e frite o bacon e a linguiça defumada. Reserve. Na mesma panela, frite a costelinha, pingando um pouquinho de água até que fique macia, mas firme. Junte o bacon e a linguiça já fritos, acrescente a cebola e mexa. Reserve.
Depois do tempo de cozimento da dobradinha e do feijão, verifique se eles estão cozidos e, então, passe o feijão e o refogado de carnes para a panela da dobradinha, acrescente o caldo de bacon em pó, miture tudo muito bem, tampe e deixe agregar os sabores de cada ingrediente, por uns 10 minutos. Se necessário, acrescente água quente para não secar muito o líquido. Depois de pronto, desligue o fogo, acrescente o cheiro verde e sirva com arroz branco. Para quem gosta, é uma verdadeira delícia.

sábado, 13 de março de 2010

Batatas assadas na margarina



A batata é um coringa quando se pensa em acompanhamento para assados, pois ela vai muito bem com qualquer tipo de carne. Esta receita é prática e rápida, além de ser muito saborosa.

Ingredientes:
1 kg de batatas pequenas (aquelas usadas para conserva)
1/2 colher (sopa) de sal
1 1/2 litro de água
4 colheres (sopa)de margarina (80% de lipídeos)
1 sachê de caldo de legumes em pó

Modo de fazer
Coloque a água e o sal numa panela e leve ao fogo. Enquanto a água esquenta, descasque as batatas e depois as coloque na panela para cozinhar até que fiquem macias, mas firmes. Escorra as batatas num escorredor de arroz ou macarrão até que fiquem secas. Reserve. Numa vasilha de vidro ou plástico, coloque a margarina e leve ao microondas para derreter por uns 2 minutos na potência alta. Retire do microondas, acrescente o caldo de legumes em pó e misture bem. Coloque as batatas numa forma e com um pincel passe a margarina temperada por todas as batatas, depois vire-as e passe do outro lado. Leve ao forno moderado até que elas fiquem coradas. Sirva com qualquer tipo de carne assada e uma bela salada.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Bombom de chocolate branco na travessa

Esta receita maravilhosa eu recebi por "tradição oral", ou seja, numa conversar com minha amiga Rosagelinha. Ela descreveu toda a receita, o que me deixou com água na boca. Ao chegar em casa, verifiquei se tinha os ingredientes e percebi que só tinha chocolate branco para ser derretido. Então, adaptei a receita dela ao que eu tinha: ao invés de brigadeiro branco, resolvi fazer o brigadeiro tradicional para contrastar com o chocolate branco. Ficou uma delícia. Mas prometo que numa próxima oportunidade irei fazer a receita tal qual ela me passou.

Ingredientes:

2 bandejas de morangos
1 lata de leite condensado
3 colheres (sopa) de chocolate em pó ou achocolatado
1 colher (sopa) de margarina
200 gr de chocolate branco com castanhas
1 caixa de creme de leite sem soro



Modo de fazer:
Lave os morangos e deixe escorrer a água, e depois seque-os com papel absorvente. Reserve. Coloque em uma panela o leite condensado, o chocolate em pó e a margarina e leve ao fogo, mexendo sempre, até chegar ao ponto de brigadeiro mole (mas não muito mole). Deixe esfriar completamente e reserve. Coloque o chocolate branco em um recipiente e leve-o ao banho maria até dissolver por completo (pode ser no microondas também). Retire do banho maria (ou do microondas) e misture o creme de leite sem soro.

Montagem:
Pique os morangos ao meio (reserve metade de uma bandeja para decorar) e forre o fundo de uma travessa de vidro ou outro recipiente no qual queira servir. Coloque por cima todo o brigadeiro cobrindo todos os morangos. Por cima do brigadeiro coloque o chocolate branco misturado com o creme de leite e decore com o restante dos morangos. Leve à geladeira, de preferência de um dia para o outro, e sirva bem geladinho. É muito bombom.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Bolo de fubá com goiabada cascão



Eu estava com umas goiabas bem maduras na geladeira e pensei em aproveitá-las antes que se perdessem de vez. Eram umas cinco. Então resolvi tentar fazer um doce que comia na casa da Patrícia, uma amiga de infância. Não é que deu certo. Com a parte da casca eu fiz a goiabada cascão, e com a polpa eu fiz a geléia de goiaba, que outro dia eu posto a receita. Depois de pronto, comi o doce com creme de leite, mas ainda ficou um pouco dele "rolando" na geladeira. Foi aí que veio a idéia de colocá-lo num bolo de fubá. Foi uma combinação perfeita; não deu pra quem quiz. Então vamos à receita.


Ingredientes:

Massa:
3 ovos inteiros
2 colheres (sopa) bem cheias de margarina (aquela com 80% de lipídeos)
2 xícaras (chá) de açúcar (pode ser cristal ou refinada)
1 xícara (chá) de fubá (aquele moído mais fino)
1 xícara (chá) de farinha de trigo peneirada
1 xícara (chá) de leite
1 colher (sopa) bem cheia de fermento em pó

Recheio:
2 xícaras (chá) de goiaba picada (sem a polpa, mas com a casca)
1 1/2 xícara (chá) de açúcar

Modo de fazer:

Massa:
Numa batedeira, coloque os ovos (clara e gema) e bata até ficar um amarelo clarinho. Acrescente, aos poucos e sem parar de bater, o açúcar e bata até crescer e formar um creme. Continue batendo e adicione a margarina até que ela se incorpore totalmente ao creme. Adicione o fubá e a farinha aos poucos e vá alternado com leite. Se a massa ficar muito pesada, acrescente mais um pouco de leite. A consistência ideal é nem muito mole e nem muito espessa. Coloque o fermento e dê mais uma batidinha rápida e desligue a batedeira. Coloque a massa em uma forma grande com furo central untada com margarinha e enfarinhada, acrescente a goiabada cascão às colheradas dividindo-a por toda a massa. Leve a assar em forno moderado até que doure. Sirva quente ou frio, acompanhado de chá, café, café com leite ou outra bebida de sua preferência.

Recheio:
Coloque a goiaba picada e o açúcar em uma panela e leve ao fogo para cozinhar. Mexa de vez em quando para não grudar no fundo da panela. Para chegar ao ponto do doce, a goiaba deve se dissolver e ficar pequenos pedacinhos, a cor deve ser aquela característica de goiabada, mas a consistência deve ser a de comer com colher, ou seja, cremosa e não de corte. Fica uma delícia e pode ser servida também como sobremesa acompanhada de creme de leite, queijo minas ou requeijão de copo.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Yakissoba tradicional

Além de ser uma comida leve, é nutritiva, saborosa e muito fácil de fazer. Não tem época específica para ser feita, pois é apropriada para todas as estações do ano. Portanto, é um coringa na cozinha e deve ser experimentada repetidas vezes.



Massa:
500 gr de macarrão para yakissoba
2 colheres (sopa) de óleo de gergelim torrado

Molho:
1 peito de frango médio cortado em cubos
½ kg de coxão mole (ou alcatra, ou contra-filé) cortado em cubos
5 dentes de alho amassados
sal à gosto
½ xícara (chá) de molho de soja
6 colheres (sopa) de óleo de soja
1 cenoura grande cortada em palitos
½ unidade pequena de brócolis chinês cortado em buquês
1 pimentão verde pequeno cortado em quadradinhos
1 pimentão vermelho pequeno cortado em quadradinhos
1 pimentão amarelo pequeno cortado em quadradinhos
1 cebola grande cortada em quadradinhos
2 xícaras (chá) de acelga cortada em quadradinhos
200 gr de cogumelos cortados ao meio
1 vidro de molho pronto para yakissoba (500 ml)


Modo de fazer:
Cozinhe o macarrão al dente, com pouco sal e reserve. Tempere as carnes, separadamente, com alho, sal e molho de soja. Numa frigideira grande ou na panela wok, coloque 2 colheres de óleo de soja e frite o peito de frango até que esteja cozido; reserve. Faça o mesmo com o coxão mole e reserve. Na mesma panela em que fritou as carnes, acrescente as 2 colheres de óleo de soja restantes e refogue os legumes, adicionando-os na seguinte ordem: cenoura, brócolis, pimentões, cebola, acelga e as carnes fritas. Entre uma adição e outra, misture e deixe refogar por alguns segundos. Tampe a panela, abaixe o fogo e deixe cozinhar no próprio líquido que sai dos legumes até que eles fiquem macios, mas crocantes. Neste ponto, acrescente os cogumelos e o molho pronto, e acertar o sal, se for preciso. Deixe cozinhar por uns 3 minutos. Enquanto isto, aqueça outra frigideira, coloque o óleo de gergelim e frite o macarrão. Coloque-o numa travessa para servir e joque por cima o molho de carne com legumes. Se preferir, acrescente o macarrão frito ao molho na panela wok e misture para agregar os sabores. Sirva quente.

Sardinhas assadas no forno


Meu marido gosta muito de sardinhas. Depois que nos mudamos para um apartamento, fica muito incoveniente fazer sardinha frita devido ao cheiro que permanece dentro de casa. Assim, a receita abaixo é uma solução muito saborosa para quem padece desse problema. Depois que eu testei, muitas outras pessoas também fizeram-na e aprovaram. Vale a pena experiementar.


Ingredientes:

1 kg de sardinhas limpas (com a cabeça e rabo)

sal à gosto

6 dentes de alho grandes, descascados e picados bem pequenininhos

2 cebolas médias cortadas em rodelas

azeite de oliva extra-virgem à gosto

3 colheres (sopa) de vinagre (eu troquei pelo limão)

fubá para empanar


Modo de fazer:

Tempere as sardinhas com sal e reserve por uns 30 minutos. Num tabuleiro, espalhe o alho picado e a cebola em rodelas. Passe as sardinhas no fubá e arrume-as sobre as cebolas. Regue com o azeite de oliva e o vinagre (ou limão) e leve a assar em forno moderado pré-aquecido até que as sardinhas fiquem douradas. Sirva quente com arroz branco e salada verde.


Obs. na verdade, eu não notei muita diferença em colocar alho e cebola no fundo do tabuleiro. Na próxima vez que eu fizer, não vou colocá-los; mas fica a critério de cada um.

Bolo de leite ninho



O meu primeiro contato com este bolo foi numa festa de dia dos pais. Ficou gravado na minha memória e paladar. Tentei conseguir aquela receita, mas o máximo que consegui naquela festa foi saber o nome do bolo. Comecei, então, a minha busca por ela e não sosseguei até conseguir. No dia do aniversário do meu marido, resolvi arriscar e fazê-la, e não é que deu certo! Ficou uma delícia. Então vamos a ela.



Ingredientes:

Massa:
5 gemas
2 xícaras (chá) de açúcar (pode ser refinado ou cristal)
2 xícaras (chá) de farinha de trigo (de preferência peneirada)
1 xícara (chá) de leite fervendo
1 colher (sopa) de fermento
5 claras em neve

Modo de fazer:
Na batedeira, bata as gemas com o açúcar (acrescente aos poucos) até virar um creme. Adicione aos poucos a farinha intercalando com o leite quente. Acrescente o fermento sem bater e, depois, as claras em neve delicadamente. Leve assar em forma untada e enfarinhada até dourar. Deixe esfriar e reserve.

Recheio:
1 lata de leite condensado
200 gr de manteiga sem sal (se for usar margarina, tem que ser a que tem 80% de lipídeos)
12 colheres (sopa) de leite ninho integral
2 latas de creme de leite bem gelado e sem soro

Modo de fazer:
Na batedeira, bata a manteiga (ou margarina) com o leite condensado até que engrosse. Acrescente aos poucos e sem parar de bater o leite ninho (colherada por colherada). Desligue a batedeira e adicione o creme de leite gelado misturando com uma colher. Deixar na geladeira por 30 minutos.

Calda:
1 vidro de leite de côco (pequeno)
2 xícaras (chá) de leite
2 colheres (café) de essência de baunilha
1/2 xícara (chá) de açúcar

Misturar tudo e reservar.

Cobertura:
Chocolate branco ralado à gosto
Cerejas

Montagem do bolo:
Corte a massa assada ao meio. Coloque metade da massa no recipiente em que vai servir o bolo, molhe com a calda e recheie. Coloque por cima a outra metade da massa, molhe novamente e despeje por cima o restante do recheio, espalhando-o em cima e nas laterais do bolo. Espalhe, generosamente, o chocolate ralado e enfeite com as cerejas. Leve à geladeira, de preferência, de um dia para o outro e sirva gelado. É uma delícia.

Obs. Se você quiser um recheio mais consistente, acrescente apenas 1 lata de creme de leite. E se você gostar da calda mais doce, pode aumentar a quantidade de açúcar. Na cobertura você pode inventar e abusar da criatividade. Eu, como não gosto de cerejas, coloquei apenas o chocolate.

sábado, 6 de março de 2010

Minha primeira postagem

Hoje criei meu blog, um sonho concretizado depois de quase um ano de desejo por ele. Estou feliz e sei que terei muito trabalho, mas também muito prazer. O nome do blog foi sugestão do meu marido - Cozinha e Cia; e a minha descrição - cores, sabores, aromas e sensações, sugere as experiências que podemos ter, por meio dos nossos sentidos, quando entramos no mundo da culinária. Além disto, temos a imaginação, a criatividade e a própria química dos alimentos que, ao se combinarem, nos proporcionam experiências com pratos dos mais simples e cotidianos, aos mais sofisticados e exóticos. Isto revela a versatilidade da culinária e suas inúmeras surpresas. Espero que todos sejamos surpreendidos com a sua simplicidade, quanto com a sua sofisticação, pois ambas cabem à arte de cozinhar.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails